Nove mandamentos para o sucesso na busca e aceitação de novo sócio

 


Toda empresa, em algum momento, irá necessitar de um incremento capital


 


Por: Geraldo Carlos Silvestre (*)


 


Os fatores mais comuns são decorrentes da necessidade de capital de giro, capital para investimentos para modernização do processo de produção ou simples reposição de máquinas, capital para ampliação do empreendimento e capital para saneamento financeiro.


 


Em micros, pequenas e médias empresas essas situações são latentes, entretanto, diferentemente das empresas de maior porte, o acesso às linhas de crédito convencionais esbarra no rol de exigências, que na maioria das vezes são incompatíveis com o tempo de vida do empreendimento e com as garantias requeridas. Quando ultrapassadas essas duas barreiras resta saber se os juros cobrados caberão no fluxo de caixa da empresa. Como alternativa, o empreendedor pode obter capital mediante a entrada de um novo sócio.


 


Antes de qualquer decisão o empreendedor deve entender com clareza o que verdadeiramente se busca com a entrada de um novo sócio. O fator determinante para a aceitação de novo sócio não está restrito à necessidade de capital. Um novo sócio poderá ser necessário para desenvolver novos projetos, trazer conhecimentos ou compartilhar a administração da empresa, embora, nessas circunstância também poderá haver uma entrada de recursos correspondente à participação no capital social.


 


A tarefa de encontrar e aceitar um novo sócio não é simples e por isso requer alguns cuidados preliminares para que a aparente solução não se torne um futuro problema societário. Siga o guia com nove dicas para aceitar sócio e avance com seu empreendimento.


 


Avalie se você está preparado para ter um novo sócio – É comum que pequenas e médias empresas tenham uma administração centralizada em um único sócio, ou seja, o dono do negócio, e normalmente, sem a necessidade de prestação de contas. As decisões são exercidas e os riscos assumidos por uma única pessoa. Com a entrada de um novo sócio, o empreendedor deve preparar-se para compartilhar as decisões e prestar contas. Vale o dito popular, “Quem tem sócio, tem patrão”.


 


Saiba o motivo da procura de sócio – É fundamental que a decisão de procurar um novo sócio esteja baseada no conhecimento dos fatores que a motivaram. Não é adequado procurar ou aceitar um sócio sem a identificação dessa necessidade. A entrada de um sócio implica na divisão dos riscos do negócio e em contra partida na divisão dos lucros. Se isso não estiver claro, poderá constituir-se elementos de discórdia de uma ou de outra parte.


 


Deixe o candidato a sócio ciente dos fatores que motivaram sua procura – Explique detalhadamente ao candidato a sócio os motivos pelos quais ele está sendo convidado a participar da sociedade. Demonstre, preferencialmente com auxílio de especialista, a situação patrimonial e financeira da empresa. Lembre-se que ele, o novo sócio, terá acesso a todas as informações, e qualquer omissão, futuramente descoberta, poderá ensejar conflitos.            


 


Calcule o montante de recursos financeiros que se pretende obter do novo sócio – A determinação do valor que se pretende capitalizar deve ser calculada com base no fator originário da decisão de aceitar um novo sócio. Exemplo: Se o empreendedor pretende ampliar seus negócios, elabore um plano demonstrando como se calculou o montante de capital necessário e qual sua destinação e principalmente quanto irá gerar de recursos. Isso irá permitir avaliar a viabilidade e retorno do investimento.


 


Definição da participação do novo sócio no capital social – A participação do novo sócio deve ser determinada em função da relação entre o capital investido e o valor da empresa, numa mesma data. Existem diferentes critérios financeiros para determina o valor de uma empresa, por isso, é recomendável recorrer a um especialista que irá prescrever o critério adequado de acordo com as circunstancias.


 


Definição da participação do novo sócio na administração – A participação do novo sócio na administração deve ser discutida, esclarecida e entendida, pelas partes, no inicio do processo. As atribuições e responsabilidades devem ser claras para evitar conflitos ou sobreposição de funções.


 


Avalie o nível de conhecimento do novo sócio sobre o empreendimento – É recomendável que o novo sócio tenha ou obtenha conhecimentos e afinidades com o empreendimento. Conhecer os aspectos operacionais, o dia a dia, é importante para que o candidato a sócio possa avaliar se terá condições e disposição para adequar-se às necessidades e estilo do empreendimento.


 


Identifique as afinidades com o novo sócio – Não é necessário que os sócios tenham totais afinidades, deve prevalecer o profissionalismo, quando possível. Entretanto, a inexistência de afinidade é foco permanente de discórdia, simplesmente pela intolerância inerente à falta de afinidade. Por isso, tente identificar os pontos de discordância e faça uma reflexão no sentido de avaliar sem são toleráveis ou não. Isso vale para os dois lados.


 


Determinação das formas de remuneração – As remunerações dos sócios devem ser estipuladas considerando a situação financeira e os resultados da empresa e não as necessidades pessoais de cada um. Não se deve esquecer de contemplar e discutir as remunerações indiretas, como: conta de telefone, despesas com combustível etc. Quando estas existirem, fixar limites e determinar regras de uso e consumo são boas alternativas para evitar gastos excessivos e possíveis conflitos.


 


(*) – É diretor da Moore Stephens Auditores e Consultores, uma das maiores redes de auditoria, consultoria e outsourcing contábil do mundo


 

Compartilhar Post?

Contate-nos por WhatsApp